Brasil bate novo recorde de mortes pelo Coronavírus

A esperança de que a curva de contágio e vítimas da Covid-19 no Brasil diminua não se cumpre na prática. Na verdade, o Brasil continua com a curva ascendente e essa situação revela um cenário trágico no país. Um contexto em que o pico da pandemia é impossível de ser definido no momento. Enquanto alguns especialistas defendem que o pico da pandemia está próximo, os números mostram que talvez nem tenhamos chegado perto do pior momento da disseminação do vírus aqui no país.

No último balanço que foi divulgado pelo Ministério da Saúde na última quarta-feira, 3 de junho, descobriu-se que um total de 1349 mil novas mortes por coronavírus foram registradas no Brasil. Com isso, temos um novo recorde de óbitos em 24 horas no país. O recorde anterior era de 1262 mil mortes e havia sido registrado um dia antes, na terça-feira do dia 2 de junho de 2020. São 87 mortes a mais do que o recorde que foi anteriormente registrado.

De fato, os números revelam um ambiente nada acolhedor para o Brasil nesse momento. A epidemia cresce em ritmo acelerado no país e o total de mortes chega a 32.548. O total de casos de Covid-19 confirmados no Brasil é de 584.016 pacientes. Foram 28.633 novos casos de coronavírus registrados nas últimas 24 horas. Desse total, 53,6% dos pacientes estão sendo acompanhados pelas autoridades públicas (312.851), enquanto 40,9% deles já foram recuperados do vírus (238.617).

Além disso, o Ministério da Saúde informou que do total de mortes que foram registradas nas últimas 24 horas, 408 delas aconteceram nos últimos 3 dias, caracterizando, portanto, que uma parte dos óbitos foram registrados com atraso. Esse tipo de situação tem acontecido porque as equipes de saúde estão trabalhando em menor número, justamente para evitar a disseminação do vírus entre esses profissionais.

O total de casos suspeitos que seguem em investigação pelo Ministério da Saúde é de 4.115. O Ministério ainda informa que todos os pacientes suspeitos estão sendo monitorados pelas autoridades de saúde pública de seus respectivos estados e municípios de origem.

Coronavírus no Brasil – Situação crítica nos estados

Até o momento, a situação mais crítica da epidemia no Brasil pode ser percebida em São Paulo. No estado paulista, são 123,4 mil casos confirmados de Covid-19 e 8,2 mil mortes. Em segundo lugar no número de casos e óbitos, está o estado do Rio de Janeiro. No estado carioca, são 59,2 mil casos confirmados de coronavírus e 6 mil mortes até o presente momento.

Em terceiro lugar na lista de estados com situação mais alarmante, está o Ceará. O total de casos confirmados de Covid-19 no estado do Ceará é de 56.056. O total de mortes é de 3.605. Em seguida, temos o estado do Pará, com um total de 44.774 casos confirmados e um total de 3.193 mortes.

Atualmente, o estado do Amazonas é o 5º estado do Brasil com maior número de casos e mortes. No estado amazonense, são 44.347 casos confirmados, enquanto o número total de mortes é de 2.138.

O estado que preocupa menos até o momento é o Mato Grosso do Sul, na região Centro-Oeste, com 1.802 casos confirmados e 20 mortes por coronavírus em todo o estado.

Infelizmente, ainda não é possível saber se o Brasil se encontra próximo do pico da pandemia ou não. Mas é possível estimar que, ainda que o pico da disseminação já tenha chegado, a descida da curva de contágio e de mortes será lenta e gradativa. E que se as pessoas não fizerem a sua parte, respeitando as medidas de isolamento social e quarentena, a queda da curva acontecerá de forma ainda mais devagar.

As expectativas, diante dos números que tem sido divulgados todos os dias pelo Ministério da Saúde, não são nada animadoras e apresentam um cenário caótico no país com ocupações nos leitos de UTI, disseminação acelerada do vírus e impossibilidades de uma reabertura efetiva da economia nas próximas semanas. Afinal, ainda que as medidas de quarentena sejam flexibilizadas, o mercado certamente vai sentir o impacto da diminuição do consumo, consequência direta da cautela da população em sair de casa para consumir produtos e adquirir serviços fora do lar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *